Junho, parte 1 / June, 1st part

After the Enrichment activity of the last post, the Oranim groups met once again on June 2nd, for a trip around Haifa and its surroundings.

We first visited Caesarea, a city that King Herod named after Julius Caesar, his patron. It is a very ancient place – dates from 6 CE – and used to be a very active city for the Romans in the period they were stablished in Israel. The town kept its important status until the muslims conquered the land and since then it became the ruins we could see that day.

After Caesarea, we went to Zichron Yaakov, more specifically in the Ramav Hanadiv Memorial Gardens (Rothschild’s Garden), dedicated to the Rothschild family, great helpers of the area. I checked the websites, very interesting and beautiful, they keep rotating the plants so that the garden is always blossoming.

And the last place of the day was Daliyat Al Carmel, a Druze village. We stopped for lunch, I finally ate Ful, a typical Israeli food. Not only it seemed to be but it was only beans to be eaten with pitot. It is not as good as rice with beans, but as I missed eating black beans, it worked.

On June 5th and 6th, it was Shavuot. We celebrated it in the kibbutz and we watched the kibbutznikim’s dances, music, horses’ and agriculture machines’ exhibition.

On June 10th (Friday, weekend), some people from the group decided to go to Nazareth, known mostly as the place where Jesus was born. We visited the church Custodia di Terra Santa in Mount Tavor, the Basilic of Annunciation and a mill in Nazareth.

On June 14th Stefanie left the program. She had a doctor appointment that has to be done in the US and it couldn’t be helped. We miss her.

On June 15th, there was a different Enrichment activity, the subject of it was Israeli food. Rachel was the chef and distributed tasks among us. The result of it was Israeli salad, falafel, humus, tehina, pita, lemonade with mint, fruit salad and punch (watermelon juice + a lot of vodka). It was by far the tastiest activity and also the one that lasted longer (3h between preparation, the meal and lots of talk).

And regarding work, I have changed it again and again. Tamir (my boss from the organic farm) had a leg issue that prevented him from working for 3 weeks, so that I came back to the garden job I used to have. Then Max (my roommate) also changed his job, he left the fish ponds and joined the already numerous group in the kitchen, leaving an opening in the fish ponds that was filled by me. I am supposed to be a fisherman now, I guess.

—————

Depois da atividade de enriquecimento da publicação passada, os grupos do Oranim se encontraram de novo no dia 2 de junho para uma viagem em Haifa e seus arredores.

Primeiro visitamos Caesarea, cidade cujo nome é uma homenagem do rei Heródes a Júlio César, seu patrono. É um lugar muito antigo – data de 6 EC – e era muito agitado pelos romanos no período que eles estavam estabelecidos em Israel. A cidade se manteve importante até a conquista da área pela mãos dos muçulmanos. Desde então, o local se encontra em ruínas.

Depois de Caesarea, fomos à Zichron Yaakov, mais especificamente no Ramav Hanadiv Memorial Gardens (jardim de Rothschild), dedicado à família Rothschild, benfeitores da localidade. Conferi uns sites, bem interessante e bonito isso, a manutenção do jardim através da rotação de plantas, assim tá sempre florido.

E por último fomos a uma vila druza, Daliyat Al Carmel. Fizemos uma parada para almoço e eu finalmente comi Ful, um prato típico israelense. Ful não apenas parece como é feijão com salsinha e pita. Não é tão bom como arroz e feijão (os israelenses não sabem o que tão perdendo), mas como eu tava com saudades de feijão, quebrou o galho.

No dia 5 e 6 de junho foi Shavuot. Comemoramos no kibbutz e vimos as danças dos kibbutznikim, música, apresentações de equitação e máquinas agrícolas.

No dia 10 de junho (6a-feira, final de semana), algumas pessoas do grupo decidiram ir pra Nazaré, popularmente conhecido como o lugar onde Jesus nasceu. Visitamos a igreja Custodia di Terra Santa no Monte Tavor e a Basílica da Anunciação e um moinho em Nazaré.

No dia 14 de junho a Stefanie teve que sair do programa. Ela tinha uma consulta médica que tinha que ser feita nos EUA e não tinha outra alternativa. Sentimos saudades dela.

No dia 15 de junho, teve uma atividade de enriquecimento diferente, o tópico era comida israelense. A Rachel ficou de chef e distribuiu as tarefas. O resultado do esforço coletivo foi salada israelense, falafel, humus, tehina, pita, limonada com menta, salada de frutas e ponche. Foi de longe a atividade mais saborosa e também a que durou mais (3h entre a preparação, a refeição e a conversação).

E sobre trabalho, mudei de serviço duas vezes. O Tamir (meu chefe na fazenda orgânica) teve um problema na perna que o impediu de trabalhar por três semanas, então voltei ao trabalho anterior de jardinagem no kibbutz. Todavia, o meu companheiro de quarto Max também mudou de trabalho, ele saiu das piscinas de peixe pra se juntar ao já numeroso grupo de voluntários na cozinha, deixando uma vaga em aberto no setor de pescado, preenchido por mim. Sou supostamente um pescador agora.

Advertisements
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

3 Responses to Junho, parte 1 / June, 1st part

  1. Luís says:

    Grande pescador!! :P. O que interessa é que te estejas a divertir e a gozar a vida GUI. Encontra o teu rumo 🙂

  2. Ida says:

    Oba, vou comer muito peixe na tua volta, então, certo?

  3. anna says:

    Vamos ver se quando chegares vamos comer “ful”. Prometo fazer feijão com arroz. Beijos

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s