“Menos que Nada” com Audiodescrição e Legendas / “Less than Nothing” with audio description and subtitles

Ontem aconteceu a exibição do filme nacional “Menos que Nada”, com audiodescrição e legendas. Talvez eu esteja exagerando, mas foi a realização de um sonho: assistir a um filme nacional com legendas – significando acessibilidade às pessoas com deficiência auditiva – e também minha primeira experiência com audiodescrição – acessível às pessoas com deficiência visual. Eu realmente espero que as palavras do diretor se tornem realidade. Ele disse algo como “é o primeiro filme feito dessa maneira, mas esperamos que se torne o padrão”.

Eu tava empolgado pra ver o filme. Tava otimista, achei que a sala ia lotar. Tinham 85 lugares disponíveis e ocuparam uns 50-60. Ainda assim, é um bom número, considerando que era uma 5ª-feira cedo da noite (19h).

Antes do filme começar, teve uma introdução descritiva falada de cada personagem, parecido com o exemplo a seguir: “João é um arquiteto. Ele aparece em 2 momentos distintos durante o filme – no presente e há 25 anos. Nos dias de hoje, ele veste roupas formais e tem cabelo grisalho. No passado, ele vestia camiseta e bermuda e seu cabelo era castanho. Essa é a voz de João: (João fala alguma coisa)”. Essa é a estratégia adotada para as pessoas com deficiência visual se familiarizarem um pouco com os personagens. Depois disso, a história começou.

O trabalho em conjunto da roteirista, do técnico de áudio, dos consultores e do narrador resultou em um trabalho tão maravilhoso que até eu consegui ouvir e compreender a maioria do que era dito, com o apoio da informação visual. Parabéns!

As legendas eram bem como eu queria que fossem: sem simplificação, elas tentavam imitar, copiar exatamente o que era dito no momento. Até os palavrões foram mostrados haha.

Não se preocupem, não vou contar a trama do filme.

Depois de terminado o filme, iniciou-se um debate envolvendo o diretor, o ator que fez o papel do personagem principal, a roteirista, o técnico de áudio e a plateia. Havia também uma intérprete de LIBRAS, pois era um filme acessível a todos.

Todos da plateia expressaram sua opinião sobre o evento e fizeram algumas perguntas. Sobre a acessibilidade oferecida, apenas boas palavras foram pronunciadas para a companhia que tornou isso possível, a Mil Palavras. A experiência de assistir a um filme com audiodescrição e legendas para todos é legal para uma primeira vez, mas uma vez já é o bastante.

Por que isso? Porque, como disse o ator certa hora no debate, é demais. Quatro formas diferentes de informação tavam sendo oferecidas ao mesmo tempo: a visualização das cenas, o áudio original, as legendas e a audiodescrição. O público surdo se vale de 2 dessas formas: as cenas e as legendas. O público cego/com baixa visão aproveita 2 também: os 2 áudios. O público “não-surdo-e-não-cego/com baixa visão” teve que aguentar os 4 tipos de dados concomitantemente.

Finalmente consegui entender por que algumas pessoas não gostam de legendas. No começo, achei que era pura preguiça delas. Agora, estando no lugar delas, posso dizer que é cansativo e desnecessário estar exposto a informações demais. Aprendi uma boa lição.

Acredito de coração que a audiodescrição e as legendas são, sem dúvida alguma, recursos valiosos que devem estar disponíveis em qualquer lugar, mas através de fones de ouvidos e óculos. Dessa maneira, todos nós podemos estar no mesmo lugar e depois compartilhar o quão bom o espetáculo foi.

The presentation of the Brazilian movie “Less than Nothing”, with audio description and subtitles, happened yesterday. Maybe I am making it bigger than it really was, but it was the fulfillment of a dream: to watch a national film on movies with subtitles – meaning accessible to the hearing impaired – and also my first experience with audio description – meaning accessible to the visually impaired. I truly hope the words of the director become true. He said something like “it is the first movie made like that, but we hope it becomes the standard.”

I was very excited to watch this movie. I was optimist, I thought the room would be full. There were 85 seats available and around 50-60 were filled. Still, it is a nice number, since it occurred in a Thursday early night (7pm).

Before the film started, a spoken introduction of each character was shown, as the following example: “John is an architect. He appears in two different times on the movie – in the present and 25 years ago. Nowadays, he wears formal clothes and has grey hair. In the past, he worn T-shirt and shorts and his hair was brown. This is John’s voice: (John says something”. This is a strategy to get the visually impaired people a bit acquaintanced with the characters. Then the story began.

The sum of the screenwriter’s, the audio technician’s, the consultants’ and the narrator’s work resulted in such a wonderful description that even I was able to listen and understand most of everything that was spoken, with the aid of the visual information. Well done!

The subtitles were exactly what I would like them to be: they weren’t simplified, they tried to imitate, to copy exactly what it was being said at that moment. Even the bad words were exposed lol.

No worries, I won’t spoil the film.

After it ended, a debate envolving the director, the actor that performanced the main character, the screenwriter, the audio technician and the audience started. A Sign Language interpreter was there as well, because it was an accessible movie.

Everyone from the audience expressed their opinion about the event and asked some questions, most of them to the actor and the director. About the accessibility offered, only good words were said to the company that made it possible, Mil Palavras. The experience to watch a movie with audio description and subtitles for everybody sounds cool for the first time, but once is enough.

Why is that? Because, as the actor said during the debate, it’s TMI (too much information). Four things were being offered altogether: watching the scenes, listening the original soundtrack, reading the subtitles and listening to the audio description soundtrack. The deaf audience would do 2 of them: watching and reading. The blind/low vision audience would do 2 as well: listening to both soundtracks. The non-deaf-and-non-blind/low vision audience would have to bear 4 sources of information at the same time.

I finally got to understand why some people dislike subtitles. At first I thought it was all about laziness. Now that I was in their shoes, I can tell it’s tiring and unneccessary to be exposed to massive information. I learned a good lesson.

I truly believe that audio description and subtitles are undoubtfully valuable resources that should be available anywhere, but through headphones and glasses. This way, we all can be in the same place enjoying the same thing and later on share how amusing it was.

 

Posted in Uncategorized | 2 Comments

Audio description / Audiodescrição

I do love to play soccer and I was used to play every saturday morning I could. I thought nothing could change this fact, since my passion to soccer is hard to beat. Saturday morning’s shift was gonna be forever busy, I thought.

But there is something I love even more than soccer. It’s called accessibility. Do you know what accessibility is?

In my own concept, accessibility is anything that can be used to help people to enjoy life at its maximum. Unfortunatelly, there are things that some people can not enjoy because it is not accessible for them. For instance, let’s say we wanna go to movies. Mostly everyone likes going to movies, cuz it’s fun, although some groups don’t go there so often. 1st – Which groups are these? 2nd – And why don’t they show up at movies so often?

1st question’s answer: some of them are deafs/hard of hearing, blind/low vision and physically disabled people.

2nd: Deafs/hard of hearing – because some movies don’t play subtitles/sign language interpretation, specially when it comes to animations and national movies. “OK, so what?”, you might think. Well, you LISTEN to movies and that’s where your source of information comes from. Deaf people in general don’t have this skill, so they rely on subtitles to gather this information.

Blind/low vision people – unlike the category above, they do gather information from which they can listen, but they can not see the movie so they lose a lot of important details. To fix it, there is a resource called audio description, in which a narrator talks “through the presentation, describing what is happening on the screen during the natural pauses in the audio, and sometimes during dialogue if deemed necessary” (borrowed from Wikipedia).

Physically disabled people can go to movies and enjoy both kinds of information, but they do not have a good place to sit since you have to walk over some steps to reach a good seat. There are some people that ask them if they would like to sit on a better position, but think as if you were them. I am sure you would like to go anywhere by your own if you could – and it’s possible with a slight ramp.

Well, so the company Mil Palavras (“A Thousand Words”) was offering a course about audio description (Portuguese website > http://www.milpalavras.net.br/). It would happen on Saturday morning’s shift for some months. I decided to attend it and I just graduated on it last Saturday.

To make it short, I wanna say that I had a lot of fun. I met some of the best people in the world. We were around 10 people (3 blinds, 1 deaf, 1 physically disabled, 1 with a hurt foot (not for long though!) and 5 normal people, although nobody is really normal :P) and we learned a lot from what people with special needs want.

We displayed some videos carefully chosen and audio described by us. Although I am deaf, I could listen to part of it and could use a script to help me (thanks classmates and accessibility). In my opinion, some scripts were even better than their videos, really. They are in Portuguese and I will post their links here as soon as they are uploaded on Youtube, but if you are interested, try to find audio described videos on Youtube the language of your choice and give a try.

I audio described part of a Chaplin movie. Live. I was a bit worried because I thought people would not understand my voice, but it did not happen, I guess.

I was not nervous from my hips up, but my legs shaken as hell and I could not stop it no matter how hard I tried, no kidding. I was holding my laptop open on my arms to read out loud the subtitles. With the legs shaking, the subtitles became a little blurry since my laptop was on motion as well and I thought I was gonna fall on the floor anytime. At the same time, people were laughing all over, I had to control myself not to laugh with them and stop describing. It was a success at the end, I suppose. It was so rewarding to listen all the laughs and the recognition afterwards. I hope my classmates got the same positive feeling!

Thanks a lot, Mil Palavras, for this huge opportunity.

——–

Eu gosto muito de jogar futebol e tava acostumado a jogar todo sábado de manhã que podia. Achava que nada mudaria esse fato, já que minha paixão pelo futebol dificilmente seria superada. O turno da manhã de sábado estaria permanentemente ocupado, pensei.

Mas tem algo que eu amo ainda mais que futebol. Chama-se acessibilidade. Sabem o que é isso?

No meu próprio conceito, acessibilidade é qualquer coisa que possa ser usada para ajudar pessoas a aproveitar a vida ao máximo. Infelizmente, algumas pessoas não conseguem aproveitar algo porque não está acessível a elas. Cinema, por exemplo. Praticamente todos gostam de ir ao cinema porque é diversão garantida, mas alguns grupos não vão com tanta frequência. 1ª pergunta – que grupos são esses? e 2ª – por que não comparecem tanto?

Resposta 1 – alguns dos grupos: surdos/deficientes auditivos, pessoas cegas/com baixa visão/com deficiência visual e com mobilidade reduzida/cadeirantes/com deficiência física.

Resposta 2 – surdos/deficientes auditivos – porque alguns filmes não passam legendas/janelas com intérpretes, especialmente animações e filmes nacionais. “Tá, e daí?” é um dos pensamentos recorrentes. Bem, há quem OUÇA os filmes e é daí que seu entendimento da trama. Os surdos em geral não tem essa habilidade, então dependem das legendas para receber essa informação.

Cegos/pessoas com baixa visão – diferente da categoria acima, eles reúnem informações pela audição, mas não conseguem assistir o filme, então também perdem bastantes detalhes importantes. Para isso, há um recurso chamado de audiodescrição, no qual o narrador fala “durante a apresentação, descrevendo o que tá acontecendo na tela durante as pausas natural do áudio, e às vezes durante o diálogo se considerado necessário” (emprestado do Wikipedia).

As pessoas com mobilidade reduzida podem ir ao cinema e desfrutar dos dois tipos de informação, mas não tem um bom lugar para sentar já que até chegar em um bom lugar tem vários degraus. Tem pessoas que perguntam se eles gostariam de sentar num lugar mais favorável, mas coloque-se no lugar deles. Tenho certeza que você gostaria de ir a qualquer lugar por conta própria se pudesse – e isso é possível com uma rampa levemente inclinada.

Bem, então surgiu uma oportunidade de um curso sobre audiodescrição, oferecido pela empresa Mil Palavras (http://www.milpalavras.net.br/). Ia acontecer durante os sábados pela manhã por alguns meses. Decidi frequentar as aulas e recém me formei nesse sábado passado.

Resumindo, quero dizer que me diverti bastante. Conheci algumas das melhores pessoas do mundo. Éramos umas 10 pessoas (3 cegos, 1 surdo, 1 com mobilidade reduzida, 1 com o pé torcido (não por muito tempo!) e 5 pessoas ditas “normais”, embora ninguém seja realmente normal :P) e aprendemos muito sobre o que as pessoas com necessidades especiais precisam.

Apresentamos alguns vídeos selecionados e descritos por nós. Apesar de ser surdo, consegui ouvir parte das narrações e tive roteiros para poder acompanhar (obrigado colegas e acessibilidade). Na minha opinião, alguns roteiros tavam melhores que os próprios vídeos, de verdade. Foram gravados em português e vou postar os links aqui assim que forem carregados no Youtube. UPDATED: segue o link > http://www.milpalavras.net.br/mostra-de-encerramento-do-curso-de-audiodescr

Eu narrei parte de um filme do Chaplin. Ao vivo. Eu tava um pouco preocupado porque achei que não iam entender minha voz, mas isso não aconteceu, eu acho.

Eu não tava nervoso da cintura pra cima, mas minhas pernas eram tremedeira pura e eu não conseguia parar por mais que tentasse, sem brincadeira. Eu tava segurando nos braços meu laptop aberto para poder ler as legendas em voz alta. Com as pernas chacoalhando (e o laptop também, por tabela), as legendas perderam um pouco de nitidez e achei que eu ia despencar no chão a qualquer momento. Ao mesmo tempo, as pessoas riam alto na sala, tive que me controlar pra não rir junto e parar de descrever. No fim, foi um sucesso. Foi tão gratificante ouvir as risadas e o reconhecimento que veio depois da apresentação. Espero que meus colegas tenham sentido algo igualmente positivo!

Muito obrigado, Mil Palavras, por essa valiosa oportunidade!

Em tempo: quem quiser assistir a um filme nacional com audiodescrição e também legendas em Porto Alegre, vai ter uma sessão especial do filme Menos Que Nada no dia 2 de agosto no Cinema Santander Cultural às 19h. Dá pra comprar ingresso antecipado aqui > http://www.ingressorapido.com.br/Evento.aspx?ID=22028

Terá debate com o diretor e com a audiodescritora Letícia Schwartz após o filme. Vale a pena comparecer!

Posted in Uncategorized | Leave a comment

Audiência Pública das Escolas Bilíngues para Surdos no RS

Hoje de manhã (2ª-feira, 4/6) teve a Audiência Pública das Escolas Bilíngues para Surdos no RS na Assembleia Legislativa. Os surdos da banca falaram em LIBRAS e os ouvintes, em alto e bom português. As intérpretes tornaram o evento acessível para todos, muito obrigado!

Uma breve contextualização para os que não estão a par. Existem diferentes tipos de surdos, com diferentes tipos de perda auditiva e que se valem de diferentes formas de comunicação. Esse que vos escreve, por exemplo, é surdo oralizado e implantado, utiliza a leitura labial, fala e audição proporcionada pelo implante coclear para se comunicar. LIBRAS é outra forma de comunicação que estou tentando aprender, usada principalmente mas não exclusivamente pelos surdos sinalizadores e bilíngues. A audiência ocorreu em prol dos 2 últimos grupos, apoiados por simpatizantes (intérpretes, pais de surdos, políticos etc).

O que constitui uma escola bilíngue, a proposta defendida na Assembleia? É a luta pelo direito ao ensino nas escolas com LIBRAS como língua 1 (L1) e português escrito como L2.

Quem pode estudar na escola? Até onde eu sabia, somente surdos e através de sinais. Hoje me disseram que ouvintes que dominam a língua de sinais também poderiam se matricular na escola, caso haja interesse. Para autistas e outros distúrbios de aprendizado que tenham mais facilidade com sinais e não oralização, talvez seja interessante essa abertura.

Porém, a proposta de escola bilíngue vai contra as metas de inclusão do MEC, que defende a permanência destes alunos em escola regular com acesso ao conteúdo didático através de intérpretes que sinalizam/oralizam o que é passado ao aluno e podem copiar a matéria dada em aula. Além de intérpretes, há o atendimento escolar especializado (AEE) em turno inverso, para estimular o conhecimento adquirido no 1º turno em português e/ou LIBRAS, dependendo do caso.

Grande parte da sociedade vê a escola bilíngue com maus olhos por isolar o surdo do resto da comunidade, enquanto a comunidade surda em geral não quer a inclusão porque LIBRAS fica relegada à 2ª língua e não há o contato com os pares surdos na escola inclusiva.

Na escola bilíngue sim, existe esse contato e o uso de LIBRAS como L1. O desenvolvimento linguístico se desenvolve rapidamente no ambiente escolar.

Eu sou a favor da escola inclusiva – não gosto do termo “inclusiva”, mas da proposta sim. Acho que o contato entre pessoas de diferentes origens, cores e credos é enriquecedor para todos, todos ganham com isso. E quanto à comunicação, neste caso? Bom, para tudo existe uma solução. O surdo pode aprender a oralizar e fazer leitura labial (sim, sei bem que exige muito esforço e trabalho, assim como muita coisa na vida), os colegas podem aprender LIBRAS, a comunicação pode ser mista, pode-se usar papel/celular para ajudar, infinitas possibilidades. Eu passei por uma escola regular, vivi minhas dificuldades e desgostos, assim como alegrias, igual a muitos outros, independente do histórico, e tô aqui. Se tivesse a opção de mudar algo, não o faria.

O fato de eu ser a favor de escolas inclusivas quer dizer que sou contra as escolas bilíngues? Não, eu era a favor até agora. Sei que para muitos essa luta é importante e necessária. Apenas digo que esta não é minha opção favorita, mas respeito e apoio os que a defendem. Só espero o mesmo respeito em troca.

Na exposição de ideias dos membros da mesa, senti que me faltaram com o respeito não somente a mim, mas com muitos surdos oralizados e implantados. Essa falta de respeito me deixou com o pé atrás. Algumas das frases proferidas foram:

“O implante coclear (IC) joga a LIBRAS no lixo”. Não somos todos farinhas do mesmo saco, há diversidade na surdez. Há quem use as duas formas de comunicação e circule bem nos dois lados. É errado querer isso?

“Tudo bem que um surdo seja implantado, contanto que saiba LIBRAS”. E os surdos que não sabem ou não querem aprender LIBRAS, sejam implantados, protetizados ou não usem nada, não tá tudo bem com eles?

“Todos sabem que o IC acumula diversos casos de insucesso”. Cadê a fonte? Por que não deu certo? E os diversos casos de sucesso, não vale a pena mencionar? Se é pra contar uma história, não conte pela metade.

“Respeito é via de mão dupla e não se impõe respeito desrespeitando outras maneiras de se lidar com uma mesma condição.” – LL

Aside | Posted on by | 2 Comments

Deafness – differences and goals / Surdez – diferenças e objetivos

After I got graduated, the time I used to spend with study disappeared. I had to fill it again with other kinds of activities and I picked Brazilian Sign Language (also known as LIBRAS) to keep me a little busy.

The first class happened in the 2nd semester of 2010 and I kept studying in the 2nd semester of 2011. I haven’t adquired the sign fluency I wanted, but I can already understand some situations due to its context and also because of lip-reading, since I have met a lot of signing deafs that articulate the words with no sound, just moving their lips.

At the same time, I became part of a Facebook group of oralized deafs. Both groups – oralized and signing – are currently putting efforts so that the world can become more accessible to them mostly through special education and interpreters (signing deafs) and subtitles and real-time chats/e-mails rather than telephone calls (oralized and bilinguals – fluent in signing and written Portuguese – too). I really hope both groups achieve what they want. Accessibility is not only a right, but a must.

Unfortunately (in my opinion at least), the groups are not working together to achieve their goals. I understand that what each group wants is different and there is no need to make an alliance – which could make the fight easier, since the number of participants would increase and the communication with the so-called hearing world would be facilitated as well. As I see it, the reason that this union does not happen is because of prejudice in both sides.

Some arguments I have seen so far, from signing deafs: 1- “signing is the natural language of the deaf, there is no need for us to speak”; 2 – “Cochlear Implant (CI)*  turn us into robots”; 3 – “Poor baby”, just because he has got a CI; “G’d made us deaf, so why try to be hearing?”.

My own answers: 1 – I am not telling anything about it being a natural language or not, this is not the point. There is no need to speak, although it is really helpful in a world where most people are hearing. 2 – we are not robots. Maybe cyborgs, as a friend of mine like to say. Kidding aside, the CI, for me, is like a pacemaker, an artificial leg, arm or any kind of technology that has the purpose to aid the individual to live a life as normal as possible. 3 – don’t worry, the baby is fine. I would say, poor you. Don’t judge someone just because of a device. 4 – it’s great to know you are comfortable being deaf, but some people would like to try to hear. The same G’d that made us deaf is also giving us the opportunity to listen.

From oralized deafs: 1 – “most of them (signing deafs) don’t understand Portuguese well and isolate themselves in a ghetto, nourishing hatred for hearing people. Why should I join them?”; 2 -“most of the world is hearing and communicate through sounds, why should I learn how to sign?”.

1 – you just said it. Most of them doesn’t mean that all of them are like that. Don’t make it general. I was lucky to met some really nice people among them. Joining those ones is worthy. Avoid/ignore the bad guys. If you are patient enough, you can show your arguments, but get ready to listen things you will not like. Bad guys are everywhere, being deaf or hearing means nothing about it. 2 – Pretty simple. You don’t have to.

* = CI is supposed to be the best device to have a performance as closer as possible than a hearing person. I am not sure of the selection criteria right now. The results vary from person to person. Usually the younger the person – because of the flexibility of brain connections -, better the result. Also, hearing memory and the time spent with no hearing at all is also taken into account. If the individual was hearing before becoming deaf, it is most likely to show a better result; if the individual was born deaf, it probably will have to work harder. It’s not like a math formula though, it’s more complex than that. So, the worst result I have seen is that it didn’t work and the best one is that the individual listen even better than a hearing person.

My point is, to dislike and disagree with something is acceptable, you have got free will to do so. But give a try to see from the other perspective. Even if you don’t like what you see, you have to accept and respect the differences. They are claiming what they believe to be right for them – so are you. As long as it doesn’t harm you, why would you interfere? Their happiness doesn’t mean your sadness.

Nevertheless, I still hope a better time is yet to come, where both groups become one. It’s my dream.

—-

Depois que me formei, o tempo que eu gastava estudando ficou livre. Eu tive que preenchê-lo de novo com outras atividades e escolhi Língua Brasileira de Sinais (também conhecida como LIBRAS) para me manter um pouco ocupado.

As primeiras aulas aconteceram no 2º semestre de 2010 e continuei estudando no 2º semestre de 2011. Não adquiri a fluência de sinais que gostaria, mas já consigo entender algumas situações por causa do contexto e também da leitura labial, já que conheci muitos surdos sinalizantes/bilíngues que articulam as palavras sem pronunciar nenhum som, só mexem os lábios.

Ao mesmo tempo, tornei-me parte de um grupo de surdos oralizados no Facebook. Os dois grupos – oralizados e sinalizantes – estão recentemente lutando para que o mundo se torne mais acessível para eles, principalmente através de educação especial e intérpretes (para os sinalizados) e legendas e conversa por chat/e-mail ao invés de chamadas telefônicas (para os oralizados e bilíngues – fluentes em sinais e português escrito). Eu realmente espero que os dois grupos consigam o que almejam. Acessibilidade não é só um direito, é um dever.

Infelizmente (na minha opinião pelo menos), os grupos não estão trabalhando juntos para alcançar seus objetivos. Entendo que cada grupo deseja uma coisa diferente e não há necessidade de união – que poderia tornar a luta mais fácil, com o aumento de participantes e também com a comunicação facilitada com o dito mundo ouvinte. Do jeito que vejo, o motivo para essa união não acontecer é por causa do preconceito nos dois lados.

Alguns argumentos que vi até agora, dos surdos sinalizantes: 1 – “a língua de sinais é a língua natural do surdo, não há necessidade de falarmos”; 2 – “o implante coclear (IC)* nos transforma em robôs”; 3 – “coitado do bebê”, só porque ele usa IC; 4 – “D’us nos fez surdos, então por que tentar ouvir?”.

Minhas próprias respostas: 1 – não vou dizer nada sobre ser a língua natural ou não, não vem ao caso. Não há a necessidade de falar, embora falar seja bem útil em um mundo majoritariamente ouvinte. 2 – não somos robôs. Talvez ciborgues, como uma amiga gosta de dizer. Brincadeiras a parte, o IC, para mim, é como um marcapasso, uma perna ou braço artificial ou qualquer tipo de tecnologia que tenha como propósito ajudar o indivíduo a levar uma vida o mais normal possível. 3 – não se preocupe, o bebê está bem. Eu diria, o coitado é você. Não julgue alguém só por causa de um dispositivo. 4 – é ótimo saber que você está confortável sendo surdo, mas algumas pessoas gostariam de tentar ouvir. O mesmo D’us que nos fez surdos está nos dando a oportunidade de ouvir.

De surdos oralizados: 1 – “a maioria deles (sinalizantes) não entende português direito e se isolam em um gueto, nutrindo ódio pelos ouvintes. Por que eu deveria me unir a eles?”; 2 – “a maioria do mundo é ouvinte e se comunica por sons, por que eu deveria aprender a sinalizar?”.

1 – a resposta está no enunciado. “A maioria deles” não quer dizer que todos sejam assim. Não generalize. Tive sorte de conhecer ótimas pessoas entre eles. Unir-se a esses vale a pena. Ignore as pessoas preconceituosas. Se tiver paciência, mostre seus argumentos, mas esteja preparado para ouvir coisas que pode não gostar de volta. As pessoas preconceituosas estão por toda parte, ser surdo ou ouvinte não tem nada a ver com isso. 2 – bem simples. Não precisa aprender.

* = o IC é em princípio o melhor dispositivo para obter uma performance auditiva a mais próxima possível de uma pessoa ouvinte. Não estou familiarizado com o critério de seleção de quem pode fazer a cirurgia agora. Os resultados variam de pessoa para pessoa. Geralmente quanto mais jovem a pessoa – por causa da flexibilidade das conexões do cérebro -, melhor o resultado. A memória auditiva e o tempo sem ouvir também são levados em consideração. Se o indivíduo ouvia antes de ficar surdo, é provável que obtenha um melhor resultado que quem nunca ouviu; se o indivíduo nasceu surdo, vai ter mais trabalho. Não é uma ciência exata, é mais complicado que isso. Enfim, o pior resultado que já vi é o IC não ter funcionado e o melhor é que o indivíduo ouve melhor que ouvinte.

O fato é que não gostar e discordar de algo é aceitável, existe livre arbítrio para isso. Mas tente enxergar por uma outra perspectiva. Mesmo que não goste do que vê, precisa aceitar e respeitar as diferenças. Estão reclamando pelo que acreditam ser certo para eles – assim como você. Enquanto isso não afetar você negativamente, para que interferir? A felicidade deles não implica na sua tristeza.

Ainda assim, espero que tempos melhores venham, em que os grupos se tornem uno. É meu sonho.

Posted in Uncategorized | 11 Comments

2012

Hello everyone. Hope you’re doing fine. I am, thanks.

It has been quite a long time that I haven’t posted anything in here, so it calls for some updates. Let me see from where I should start.

Heh, last post dates from July, when I was still in Israel. My mind still is, it’d like to come back someday. After that, I traveled for 5 days to Istanbul, Turkey, for 5 days, to meet my dad, his girlfriend and some trainees of hers. It was good to feel the change of atmosphere and gave me an extra energy for the last week of the Israeli program. I’d totally recommend it, even now, half a year later, I miss it.

I traveled to Germany and France for 2 weeks before coming back to Brazil. I have visited so different backgrounds in these places. In Germany, I stayed in a rural city next to the border with Poland called Fahrenwalde, where a friend of mine from a previous internship program was living with her boyfriend’s family. As I faced a language barrier issue due to my lack of German knowledge, the communication was a little bit difficult, but everyone made everything they could to make my stay the best possible. Many thanks to you. In my stay, I learned their routine as a family of farmers, how they dealt with the canola production and what would come next.

In France, I stayed in Paris at the house of a wonderful couple whose kids were away on vacation. I walked alone on the French streets, sightseeing. I visited a lot of places, I’d say the Eiffel Tower was my favorite place because of the view you have from the top of it and also the information you can find in the boards over there. It was easy to be understood and to communicate around, I even made some friends just by talking to some other tourist in the streets, a Chinese girl and a couple of Deaf Russians.

And after those 2 weeks I came back to Brazil. Home sweet home. I was welcomed by my mother and my father in the airport. From her, I got a 2-minute rib breaking hug, because you know, 6 months away is a long time. From him, I got a “long time no see” (clearly a joke, we had met in Turkey 3 weeks before). Then the entire family – grandparents, uncles, aunts, cousins – went to a trip together, to celebrate my grandpa’s 80s. I love to have all of them around.

So, as for the rest of the year, I tried to find some stuff to fill my time, so I decided to continue my learning in Brazilian Sign Language – maybe someday, if everything goes smoothly, I can add Spanish, Hebrew and LIBRAS in this blog. It’s my dream, to be a polyglot. I didn’t find anything related to Organics to work with, but I haven’t deepen my search either. If you know where to look for it, let me know, thanks a lot.

Meanwhile, thanks to my lil sis, I have applied for a job as a subtitle translator for TV series and got accepted, yay. I get a script in English, another one with spotting (with every subtitle broken in 2 lines to guide me) and a video, so that I translate it to Portuguese. To listen the video is not necessary, but it helps. I am enjoying it a lot – I even got a compliment from a proofreader, few things are better than have your own job recognized – and it keeps me busy. So far, so good.

And now I am going to start a new course called Digital Gaming. I do like videogames, I do like computers (when it comes to playing, no idea about programing though), I guess I have some sort of creativity, so I’m willing to give a try. Wish me luck.

More updates later!

————————-

Olá a todos. Espero que estejam bem! Eu tô, obrigado.

Faz um bom tempo que não posto nada aqui, tá na hora de atualizar. Deixem-me ver de onde devo começar.

O último post foi em julho, quando ainda tava em Israel. Minha cabeça ainda tá por lá, gostaria de voltar um dia. Depois desse post, viajei para Istambul, Turquia, por 5 dias, e encontrei meu pai, a namorada dele e algumas estagiárias dela. Foi bom mudar de ares e me deu uma energia extra para a última semana em Israel. Recomendo muito o programa, mesmo agora, meio ano depois, morro de saudades de lá.

Viajei para a Alemanha e França por 2 semanas antes de voltar ao Brasil. Visitei ambientes muito diferentes nesses lugares. Na Alemanha, fiquei em uma cidade rural perto da fronteira com a Polônia chamada Fahrenwalde, onde uma amiga minha de um intercâmbio estava morando com o namorado e a família dele. Enfrentei uma barreira linguística por não dominar o alemão, a comunicação foi um pouco difícil, mas todos fizeram tudo que podiam para tornar minha estadia a melhor possível. Muitíssimo obrigado. Durante o tempo que fiquei lá, aprendi a rotina deles como família de fazendeiros, como lidavam com a produção de canola e o que viria depois.

Na França, fiquei em Paris, na casa de um casal maravilhoso cujos filhos estavam fora, de férias. Passeei sozinho nas ruas francesas, visitando os lugares turísticos. Eu diria que meu lugar favorito foi a Torre Eiffel por causa da vista lá de cima e também pelas informações que as placas da torre mostram. Foi fácil de me comunicar e de ser entendido, até fiz alguns amigos turistas só por conversar nas ruas, uma guria chinesa e um casal de Surdos russos.

E após essas 2 semanas eu voltei ao Brasil. Lar doce lar. Fui recebido pela minha mãe e meu pai no aeroporto. Recebi um abraço quebra-costelas de 2 minutos dela, porque 6 meses longe é muito tempo. Dele eu recebi um “há quanto tempo” (claramente uma brincadeira, a gente tinha se encontrado na Turquia 3 semanas antes). Em seguida a família inteira – avós, tios, tias, primos – fez uma viagem junta, para comemorar os 80 anos do meu avô. Amo estar com todos eles.

No resto do ano, tentei encontrar algumas coisas para preencher meu tempo, então decidi continuar aprendendo LIBRAS – talvez um dia, se tudo der certo, eu consiga colocar tudo em espanhol, hebraico e LIBRAS no blog. É meu sonho, ser poliglota. Não achei nada de trabalho com orgânico, mas não procurei muito a fundo também. Se souberem onde procurar, avisem, por favor e obrigado.

Enquanto isso, graças a minha irmãzinha, eu me candidatei a um serviço de tradutor de legenda de seriados e fui aceito. Eu recebo um script em inglês, outro em espanhol com spotting (com cada legenda quebrada em 2 linhas para me guiar) e um vídeo, aí traduzo para o português. Não é necessário ouvir o vídeo, mas ajuda. Tô gostando muito –até tive meu trabalho elogiado por uma revisora, poucas coisas são melhores que ter seu trabalho reconhecido –e me mantém ocupado. Até agora tá ótimo.

E agora vou começar um novo curso chamado de Jogos Digitais. Eu realmente gosto de videogames e computadores (para jogar nele, não sei o que é programação ainda). Acho que tenho um pouquinho de criatividade, então vou tentar o curso. Desejem-me sorte.

Depois atualizo mais!

Posted in Uncategorized | 2 Comments

Hiking / Trilha

After June 22nd, we had our final official trip with other Oranim groups, Eilat was our destination for three days.

The Ramla, Ashdod, Kfar Masaryk and Tel Aviv groups had the opportunity to hike in the desert of Machtesh, in the middle of the country, and in Eilat, the south border of Israel. For some reason, I think the staff of Oranim wanted us to suffer (joke), since it happened in the summer, with temperatures reaching 40oC or 104 F.

Actually, for me at least, it wasn’t that hot. The temperature was high, but the umidity, the moisture in the air was low, so we didn’t sweat and feel suffocated.

The terrain was wow. We were always stepping in a brown, hard soil filled with rubbles, changing from flat to abrupt surface. Only three kind of bushes were present, the ones adapted to drought; ocasionally, very rarely we could find a tree, with really thin leaves to avoid water loss.

It was a clear contrast to the other hiking path we have been through in April, the Golan Heights. First of all, it wasn’t summer when we went there, so it wasn’t so hot. Moreover, the landscape was fully covered by trees, rivers and big rocks, unlike the desert. The Golan Height trail was more appealing, although having an experience in the desert is worthy. I wouldn’t go for it again in the summer, though.

There’s more. We went in a group of 5 to Ein Gedi and Masada for camping and hiking purposes. Both places had a similar landscape, they were mountains with wonderful views. HIGH umidity, holy shit. Ein Gedi has some water sources, so we swam on it and felt better. Masada didn’t have any water source nearby, we were pouring sweat, I could swear we couldn’t do it to the top! And we went really early there in order to see the sun rise, around 4am! Most of us (or maybe only me) couldn’t breathe properly at the top, but I enjoyed it a lot. The sun rise was amazing and so was the smile in everyone’s face, we made it.

————

Depois do dia 22 de junho, tivemos nossa última viagem oficial com outros grupos do Oranim, Eilat foi o nosso destino por 3 dias.

Os grupos de Ramla, Ashdod, Kfar Masaryk e Tel Aviv tiveram a oportunidade de fazer trilha no deserto de Machtesh, situado na metade do país, e em Eilat, no limite sul de Israel. Imagino que por algum motivo desconhecido, a equipe do Oranim quis que a gente sofresse (brinks), já que a temperatura desses lugares no verão chegou a 40oC!

Eu não achei tão quente assim, porque a umidade tava baixa, então não ficamos suando o tempo todo e nem se sentindo asfixiado pelo bafo.

O terreno desértico era uma visão. Estávamos sempre pisando em chão firme, marrom, cheio de pedregulhos, variando de plano a ondulado. Apenas 3 tipos de vegetação estavam presentes, aqueles adaptados à seca; muito raramente encontrávamos uma árvore, com folhas finas para evitar perda d’água.

Foi um contraste em relação às outras trilhas que percorremos em abril, as colinas do Golan. Primeiro porque quando fomos lá não era verão, então não tava tão quente. Além disso, o cenário era repleto de árvores, rios e pedras grandes, diferente do deserto. A trilha da colina do Golan era mais atraente, mas vale a pena ter uma experiência no deserto. Mas posso afirmar que não iria novamente no verão hehe.

Tem mais. Fomos em um grupo de 5 para Ein Gedi e Masada para um acampamento e trilhas. Os dois lugares eram parecidos, montanhosos com lindas vistas. Mas a umidade, deusolivre, muito alta! Em Ein Gedi tinha algumas cachoeiras, então pudemos nos refrescar nelas, deu pra sentir uma baita diferença. Já em Masada, não tinha nenhuma fonte d’água por perto, a gente tava derretendo de tanto suor, podia jurar que não iríamos chegar ao topo! E fomos beeem cedo pra poder ver o nascer do sol, era umas 4 da manhã! A maioria de nós (ou talvez só eu) não conseguia respirar direito no topo, mas foi bem prazeroso. O nascer do sol foi magnífico e o sorriso estampado na cara do grupo também. Conseguimos!

Posted in Uncategorized | Leave a comment

June, 2nd part, part one – Pancakes at the pool; Junho, 2a parte – panquecas na piscina

On June 22nd, we had an Enrichment Activity out of the moadon (a gathering place), it happened at the swimming pool to celebrate its opening, because it’s finally summer! At the beginning, around 3pm, Mari and I were in charge of organizing the place with tables, chairs and covers for about 96 people. Then the others arrived and we started cooking pancakes and serve them with ice cream balls. It was really fun. Rachel, our expert cook, kept cooking pancakes all the time alone.

First I tried to help her and just a minute after I got kicked from my position from Max because cooking pancakes in that weird grill was a fast paced job and required some communication. To do things fast and to communicate at the same time… ze lo bishvili (that’s not for me, in Hebrew). Max replaced me and got kicked by Rachel 5 minutes after, he kept messing everything up haha. Rachel did a good job despite the fact that she worked alone =)

The other positions were to serve the pancakes, to get the customer’s tickets, to serve the ice cream, to refill the pancakes since the grill and the serving table were far away from each other, and to keep bringing water to Rachel because it was too hot in the grill.

Due to the fact that my Hebrew is not so bad, I was supposed to get the tickets and then people could get the pancakes. Yeah, “supposed”, because the person by my side, Raphi, kept giving the pancakes even before I got the tickets. And the kibbutnikim went straight to her, exchanging their tickets for the pancakes and even some kibbutznikim might have thought it was for free and just got the pancakes. Good thing it wasn’t really serious, if it was a business we would have been in trouble lol.

And after a while the ice cream started to melt and people stopped eating pancakes, there were just leftovers. “Who wants ice cream soup?”, Gaby asked. The people closer to me know that I wouldn’t and I didn’t let go this opportunity to eat ice cream for free! I took a pancake and filled it with ice cream, delicious!

I guess we started this activity at 3pm and finished at 7:30pm or something like that, not sure. We had to work normally in the morning and also at this period, so some of us didn’t want to do it at the beginning, but it sounded that everyone had fun!

————

No dia 22 de junho, tivemos uma atividade de enriquecimento fora do moadon (lugar de encontro de sempre), foi na piscina dessa vez. O propósito era de comemorar a abertura da piscina, pois começou o verão! No começo, umas 15h, a Mari e eu organizamos o lugar com mesas, cadeiras e toalhas para 96 pessoas. Quando os outros chegaram a gente começou a fazer panquecas e serví-las com sorvete, foi bem divertido. A Rachel, nossa cozinheira experiente, ficou fazendo panquecas o tempo todo.

Eu tentei ajudá-la no começo, mas fui expulso pelo Max porque pra cozinhar as panquecas naquela grelha esquisita tinha que tem jogo rápido de cintura e precisava de alguma comunicação. Fazer as coisas ligeiro e conversar ao mesmo tempo, ze lo bishvili (não é comigo, em hebraico). O Max me substituiu e foi dispensado pela Rachel 5 minutos depois, ele tava bagunçando tudo haha. A Rachel fez um bom trabalho mesmo sozinha =)

Os outros servicinhos eram pra servir panquecas, pegar os cupons dos clientes, servir sorvete, repor as panquecas já que a grelha e a mesa onde estávamos servindo eram longe uma da outra, e alcançar água pra Rachel já que tava um inferno perto da grelha.

Já que meu hebraico não é tão ruim, colocaram-me de receptor de cupons, mas até assim deu rolo hehe. A pessoa que tava logo depois de mim, Raphi, ficou encarregada de servir as panquecas e tava distribuindo antes mesmo de eu autorizar e dizer as quantidades. Pra deixar tudo uma bagunça ainda maior, os kibbutznikim iam direto nela e trocavam as panquecas pelos cupons e pior ainda, acho que alguns kibbutznikim nem sabiam que tinha que pagar pelas panquecas, simplesmente pegaram na maior inocência e se mandaram. Ainda bem que não era nada rígido, se fosse nosso negócio ou ganha-pão a gente estaria tão ferrado!

Pouco depois o sorvete começou a derreter e o pessoal parou de comer panquecas, ficaram só restos. “Quem quer sopa de sorvete?”, a Gaby perguntou. O pessoal que me conhece sabe que eu não iria e não perdi a oportunidade de comer sorvete de graça! Peguei uma das panquecas e recheei com sorvete, delícia!

Acho que a atividade começou umas 15h e foi até 19:30, não tenho certeza. Tivemos que trabalhar normalmente de manhã e também nesse período, então alguns de nós fizeram biquinho no começo, mas parece que todos se divertiram!

Posted in Uncategorized | Leave a comment